Setembro Amarelo: só 18% das empresas focam em saúde mental

 Setembro Amarelo: só 18% das empresas focam em saúde mental

Suicide prevention and Childhood Cancer Awareness, Yellow Ribbon on wooden background for supporting people living and illness. children Healthcare and World cancer day concept

Para a maioria das pessoas, o trabalho não se resume a ser apenas uma fonte de renda. Ele também dá sentido à vida, é um espaço de realização e de concretização de sonhos. Segundo a procuradora Regional do Trabalho Adriane Reis de Araújo, o ambiente de trabalho pode contribuir para a qualidade de vida do empregado e para a prevenção do suicídio quando reconhece o talento e a dedicação da pessoa à atividade profissional.

Segundo Araújo, quando o trabalho acolhe as mais diversas pessoas nas suas peculiaridades, seja numa questão de deficiência, de raça, de gênero, ele se torna um ambiente de trabalho bastante acolhedor que favorece a qualidade de vida e reduz situações de sofrimento.

Apenas 18% das empresas brasileiras possuem algum programa com foco na saúde mental do empregado. Os dados são da Isma-BR, representante no Brasil da International Stress Management Association.

Leonardo Vieira Wandelli, juiz do Trabalho e pesquisador na área de trabalho e saúde mental, considera, como uma das principais medidas de prevenção da depressão e do suicídio, que as empresas tenham políticas ativas de promoção da cooperação e do livre diálogo entre os trabalhadores. Para ele, é preciso que as empresas e as instituições acompanhem a saúde dos trabalhadores também do ponto de vista da saúde psíquica. Ele explica que como a doença individual é imprevisível, é preciso, em primeiro lugar, estar atento para a doença da organização em si.  “As pessoas com grande frequência adoecem em decorrência do trabalho, entram em depressão ou outras enfermidades, mas o suicídio no trabalho geralmente só ocorre quando aquela pessoa não conseguiu se fazer ouvir de nenhuma forma”, afirma.

O Ministério Público do Trabalho defende a ratificação, pelo Brasil, da Convenção 190 da OIT, Organização Internacional do Trabalho, que contém diretrizes para o enfrentamento da violência, do assédio e da discriminação no ambiente corporativo.

Esses são fatores que podem gerar o adoecimento mental dos trabalhadores, segundo a procuradora Regional do Trabalho Adriane Reis. Ela cita o papel do Ministério Público, que recebe denúncias de situações de violência, assédio e discriminação, investiga os casos, chama as empresas para adequação da conduta de maneira espontânea e, caso contrário, ajuíza ações civis públicas para coibir a prática de violência, assédio e discriminação, sob pena de pagamento de uma indenização por danos morais coletivos.

O Ministério da Saúde informou que disponibiliza atendimento para pessoas em sofrimento psíquico de forma integral e gratuita por meio dos serviços da Rede de Atenção Psicossocial e que a Política Nacional de Saúde do Trabalhador propicia que estados e municípios organizem a gestão de ações de atenção, vigilância e promoção à saúde do trabalhador. Segundo a pasta, o suicídio é, quase sempre, previsível e evitável. Por isso, é fundamental que ações de prevenção sejam fortalecidas.
(Por Edição: Roberto Marques Piza / Guilherme Strozi – Agência Nacional)

Digiqole ad

Claryssa Amorim - Mais Que Fato

http://www.maisquefato.com.br

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.