Defensor de consulta popular sobre modal de transporte, Emanuel relembra que desde 2015 sugeriu a realização

 Defensor de consulta popular sobre modal de transporte, Emanuel relembra que desde 2015 sugeriu a realização

(Foto: reprodução/Governo de MT)

Fiel defensor da consulta popular pelo respeito e consideração à população cuiabana, o prefeito Emanuel Pinheiro relembrou que a  proposta de realizar um  plebiscito para escolha de um modal para a capital é antiga. Ele cita que, quando foi deputado estadual, em 2015, propôs a consulta pública quanto ao modelo de modal: BRT ou VLT, mas não obteve o número suficiente de assinaturas. O gestor lamentou a posição da Assembleia Legislativa neste momento, por não querer realizar uma consulta pública.

Ele parabenizou a Câmara de Cuiabá por ter convocado o plebiscito.  “Eu pedi o plebiscito em 2015 e não consegui as assinaturas  e desisti, virei prefeito. Em 2019, o Wilson Santos também pediu e não conseguiu.  Qual a lógica de não querer  ouvir a população ?   No Brasil tem a democracia  representativa e a participativa, que é um  projeto de lei  de referendo e plebiscito. Nunca fizemos isso em Mato  Grosso. E em São Paulo,  um  vereador pediu um  plebiscito e o  Tribunal Regional Eleitoral – TRE –  colocou em votação  em 90 dias, e a cidade  fez sobre o minhocão. E agora é pautas concretas, que  seja por plebiscito ou referendo. A  Câmara entra pra história dando um show de democracia  na Assembleia. É  impressionante que nenhum deputado aderiu à ideia do deputado federal Emanuelzinho. Eu lamentei e espero que a Câmara de Várzea Grande  adote  e se movimente e adote também o plebiscito”, comentou.

O  prefeito disse que se caso, a escolha da sociedade seja pelo BRT, a decisão será respeitada. “A  consulta popular é para a sociedade  saber se o governo está indo contra a vontade da sociedade. Eu sou pelo VLT, e defendo até o último momento, mas se o povo optar pelo BRT,  acabou pra mim, não discuto mas, porque falou quem tem voz soberania, que é o povo”, disse.

Por fim,  Emanuel espera que a  Câmara de Várzea Grande convoque uma consulta popular. “Espero que os vereadores de VG também proponham consultar o povo.   Todos estão sendo ouvidos, menos quem vai usar o modal”, concluiu.

Ele relembrou ainda que é que necessário o cuidado com ações que irão impactar a vida de quase um milhão de pessoas, somando as populações de Cuiabá e Várzea Grande. “São ações que atravessam mandatos, que são mais importante que uma eleição, ações que colocam a população em primeiro lugar e deixam um legado para as gerações futuras.

É por isso que defendo o plebiscito, que defendo que a população seja ouvida. Não estamos diante de uma decisão momentânea, mas sim de um divisor de águas para a mobilidade urbana da nossa capital. Um investimento bilionário que tem que ser executado com responsabilidade e com participação popular, porque é o povo quem vai utilizar”, finalizou.

A Câmara Municipal de Cuiabá aprovou, em regime de urgência, o Projeto de Decreto Legislativo que prevê a convocação de plebiscito para consultar a população cuiabana sobre qual modal de transporte público deve ser implantado na capital, o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) ou BRT (Ônibus de Trânsito Rápido). A proposta foi aprovada, na sessão ordinária no dia 25 de maio, com 17 votos favoráveis e três contrários.

Digiqole ad

Claryssa Amorim - Mais Que Fato

http://www.maisquefato.com.br

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *