Em Brasília, Emanuel Pinheiro discute projeto para destinação de resíduos sólidos e defende estudo para os 13 municípios da região do Vale do Rio Cuiabá

 Em Brasília, Emanuel Pinheiro discute projeto para destinação de resíduos sólidos e defende estudo para os 13 municípios da região do Vale do Rio Cuiabá

O prefeito Emanuel Pinheiro se reuniu na tarde desta segunda-feira (30), com o secretário nacional de Saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional, Pedro Maranhão, para tratar sobre o destino dos resíduos sólidos da Capital e dos demais 12 municípios da baixada cuiabana que compõe o Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico e Social do Vale do Rio Cuiabá. A reunião foi articulada pelo deputado federal Emanuel Pinheiro Neto, o Emanuelzinho. A reunião foi realizada em Brasília onde o gestor da capital mato-grossense cumpre intensa agenda.

“A pauta da reunião foi o tratamento dos resíduos sólidos, a solução do problema com foco no interesse comum. Ou seja, para o  Governo  Federal, os projetos e programas que visem o interesse comum ou que  afetem um  ou mais municípios, em uma região metropolitana ou em um consórcio intermunicipal, são prioridade. Chamou à atenção do  Governo Federal o grande trabalho que Cuiabá vem desenvolvendo no saneamento básico e a  meta de universalização do sistema de água e esgoto até a conclusão do  nosso segundo mandato. Cuiabá tem sido visto como referência e case de sucesso. Mas, como ainda existem situações que precisam ser resolvidas, como o lixão,  há o interesse do Governo Federal, através da Secretaria Nacional de Saneamento,  de fazer do Vale do Rio Cuiabá, um  projeto piloto para solução do problema de resíduo sólido, que é um problema comum dos 13 municípios que compõe o Vale do Rio Cuiabá, formado por mais de 1 milhão de habitante. Sou presidente desse Consórcio e construímos uma agenda altamente positiva visando alcançar o desenvolvimento sustentável, ou seja, o tratamento dos resíduos solo, a sua transformação em energia, a sua geração desemprego e renda, reciclagem, enfim,  aproveitamento e todas as outras formas de tratamento do resíduo sólido produzido  no Vale do Rio Cuiabá. Tudo isso com a meta de interesse comum, marcar com o encerramento do lixão de Cuiabá, que é uma cidade pujante, crescente , e tricentenária.Não pode ter um lixão”, comentou o prefeito.

Emanuel Pinheiro lembra ainda que os danos causados ao meio ambiente são irreparáveis, por isso, a necessidade de encerrar as atividades do lixão. “As belezas naturais, como a Chapada dos Guimarães e Pantanal não podem ter um lixão. É  degradante, vergonhoso . Agride o meio ambiente e não promove o desenvolvimento sustentável. Através do Consórcio estamos buscando para os 13 municípios , nesse caso específico, de  política de aproveitamento e tratamento dos resíduos sólidos produzidos na região metropolitana,  o Ministério do Desenvolvimento Regional, via  Secretaria Nacional de Saneamento, se dispôs a doar todos  PMI (Procedimento de manifestação de Interesse) – desde estudos preliminares até projetos de interesse público, um estudo completo dos resíduos sólidos e a solução com o desenvolvimento sustentável”, explicou.

O secretário nacional de Saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional, Pedro Maranhão, destaca que a pauta será estudada pelo Governo Federal. “Fico agradecido e o meio ambiente só tem a agradecer e vamos trabalhar essa pauta”, disse Maranhão.

Digiqole ad

Roger - Mais Que Fato

http://www.maisquefato.com.br

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.