Mendes diz que reajustes salariais a policiais penais e militares devem passar por estudos técnicos

 Mendes diz que reajustes salariais a policiais penais e militares devem passar por estudos técnicos

O governador Mauro Mendes (DEM), admitiu, durante entrevista na última sexta-feira (10), que há mesmo distorções entre carreiras públicas no funcionalismo de Mato Grosso, mas que só serão corrigidas após estudos técnicos. Durante a última semana, foram levantadas discussões na Assembleia Legislativa (ALMT), para a aprovação de emendas ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) autorizando o governo estadual a conceder reajustes salariais a policiais penais e militares. Essa proposta já foi apresentada e aprovada na Casa de Leis, a previsão que a emenda seja analisada ainda nesta semana.

“À medida que o governo vai melhorando, nós criamos espaço para fazer algumas correções de distorções ou desigualdades que possam existir dentro da administração pública. Sou sensível a isso, reconheço que existe e no momento certo e da forma correta nós haveremos de implantar algumas correções para reestabelecer a igualdade e isonomia entre os servidores públicos”, disse Mendes.

As propostas de reajuste salarial para as categorias foram apresentadas pelos deputados João Batista (Pros) e Elizeu Nascimento (PSL). João Batista que é Presidente da Comissão de Segurança Pública e Comunitária da Assembleia Legislativa de Mato Grosso e policial penal de carreira, defendeu a aprovação da Emenda nº 44 que trata da valorização salarial da Polícia Penal de Mato Grosso.

João Batista disse estar em constante diálogo com o líder do governo no Parlamento, deputado Dilmar Dal Bosco (DEM), para que o Poder Executivo tenha o compromisso de receber os policiais penais e negociar com a categoria, que possui um dos salários mais defasados do da administração pública

Ainda de acordo com o governador, durante conversas com o deputado ele disse ter mostrado algumas divergências que poderiam acontecer entre as outras categorias. “Nós conversamos e mostramos que algumas eventuais divergências que possam existir e que sejam gritantes, ai é justo e correto que sejam corrigidas, mas não nesse momento, nem dessa forma, os aumentos de despesas dentro dos poderes tem uma forma, conforme a Constituição, que podem acontecer”.

Mendes ressaltou ainda que, “Se eu for atender o interesse pessoal de cada um, vou quebrar Mato Grosso. Tento olhar macro, não posso olhar apenas para uma categoria. Não posso olhar apenas para os servidores, mas para toda população. Olhar para os 3,5 milhões e de forma macro atender a todos; não de forma específica e pontual”.

Digiqole ad

Roger - Mais Que Fato

http://www.maisquefato.com.br

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.