Pinheiro e autoridades comemoram resgate da cuiabania e recuperação do Centro Histórico com entrega do Beco do Candeeiro

 Pinheiro e autoridades comemoram resgate da cuiabania e recuperação do Centro Histórico com entrega do Beco do Candeeiro

O prefeito Emanuel Pinheiro entregou nesta sexta-feira (14), a rua 27 de Dezembro, conhecida como Beco do Candeeiro, totalmente restaurada. O prefeito e autoridades ressaltaram a importância do resgate de símbolos da cuiabania, como o Beco do Candeeiro e seu entorno no Centro Histórico.

“Se olharmos para trás, Cuiabá nasceu da luta, na resiliência, na simplicidade, na bravura de seu povo, os verdadeiros pioneiros somos nós os cuiabanos. Vocês não imaginam a minha alegria e orgulho como cuiabano de ‘tchapa e cruz’ em entregar essas obras no Centro Histórico. Quando assumi em 2017 um dos primeiros atos foi resgatar o PAC Cidades Históricas, lançado em 2014 e que deixaram, largaram e por pouco não foi perdido. Conseguimos salvar com Vuolo, depois com Justino e o resultado foi feito gradativamente, em parceria com o IPHAN para chegar agora nessa entrega realizada com Carlina Jacob. Praça Caetano Albuquerque, Praça Alencastro, Praça Senhor dos Passos, Praça Alberto Novis, Praça Ipiranga, Praça da Mandioca, Escadaria do Beco Alto, Misc, Casa Barão de Melgaço e tantos outros cantinhos históricos e tradicionais foram entregues, um a um, respeitando as normas do IPHAN, a preservação do patrimônio nacional e municipal até chegar hoje entregando o Beco do Candeeiro, ou 27 de dezembro, referência a Guerra do Paraguai e a resistência do povo brasileiro, do povo cuiabano. O Beco do Candeeiro não pode ser só a entrega, nós temos que ocupar e fazer dele um grande espaço de encontro e vamos fazer. Como é bom viver em Cuiabá, como é bom viver na melhor capital do país. Agradeço a todos os meus secretários pelo trabalho 24h por dia”, disse o prefeito Emanuel Pinheiro.

A obra no valor de R$ 247 mil é fruto de um Termo de Ajuste de Compromisso (TAC) e faz parte do calendário de entregas em comemoração ao aniversário de 302 anos de Cuiabá, um resgate histórico da arquitetura local.

Ao som de “São Benedito, padroeiro, santo negro fica de frente para o Beco do Candeeiro”, o grupo “Flor do Campo” adentra a viela sinuosa e inicia sua apresentação referenciando inicialmente o passado triste de crimes e assassinatos do local, para depois dar vida, cor e ritmo em passos de siriri a resiliência e alegria de viver do povo cuiabano. A apresentação que durou alguns minutos contagiou os presentes.

“Quero agradecer a oportunidade que você está dando para essa cuiabana. Eu estou muito surpresa com a sua vontade de fazer por Cuiabá e com o que isso causa nas pessoas. Estamos todos arrepiados. Isso enche o peito da gente de alegria. Aqui não estamos resgatando só uma rua, mas sim o jeito de viver cuiabano. Na apresentação que entraram as pessoas cobertas, nós mencionamos as coisas ruins, o primeiro incêndio, o primeiro assassinato, a chacina, mas quando eles arrancam a capa e mostram a roupa de siriri e dançam eles mostram a resiliência do cuiabano, do querer ser feliz e esse é o nosso espírito. Aqui damos o primeiro passo para o retorno boêmio do centro Histórico, aqui agora é um palco para a população se manifestar, festejar. Quero agradecer a toda a equipe da minha Secretaria que trabalhou muito por isso aqui. Cuiabá está em festa, Emanuel, você colocou sangue nas veias e no nosso coração”, disse a secretária de Cultura, Esporte e Lazer, Carlina Jacob.

Famosa pelos candeeiros, a rua mesmo tem nome de Rua 27 de Dezembro, data em que ocorreu o ataque paraguaio contra o Forte de Coimbra, às margens do rio Paraguai, no município de Corumbá, em 1864. O fato foi um marco de resistência do exército brasileiro contra a investida paraguaia, que culminou com o início da Guerra do Paraguai, quando a tropa brasileira desiste e retira-se do forte, que é tomado em 29 de dezembro pelos paraguaios.

“Essa que é uma das obras mais emblemáticas de restauração no Centro Histórico de Cuiabá. Nesses paralelepípedos que pisamos hoje, pisaram grandes homens, desde os mais simples até os gigantes da política, como bem lembrado pelo nosso conselheiro Júlio Campos, ali ao lado era a sede do antigo PSB, o PSD de Emanuel Pinheiro pai, o PSD de Vicente Vuolo e tantos outros. Recebi a ordem de devolver à sociedade essa obra quando entrei na Secretaria de Cultura e convidei o arquiteto Daniel Campos, que na época era do quadro nosso de funcionários, que foi quem desenvolveu o projeto que vemos aqui hoje, aprovado pelo IPHAN. Uma obra histórica, maravilhosa. Eu e nossa equipe toda temos muito orgulho de participar e viver esse momento histórico de entregar a primeira rua iluminada de Cuiabá ao povo cuiabano fortalecendo e revivendo a nossa história”, disse o atual secretário de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico, Francisco Vuolo, que iniciou as obras de recuperação do Beco durante a primeira gestão de Pinheiro, quando estava à frente da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer.

A obra contou com apoio das Secretarias de Ordem Pública, Assistência Social e também do Instituto Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN). “Uma gestão que não pensa em cultura, que não pensa em resgatar o que temos de mais rico é uma gestão sem alma. E a nossa gestão o que ela tem é alma, amor, respeito a população, respeito a cultura cuiabana. E esse respeito se manifesta de forma transversal em todas as Secretarias. Quando fazemos um viaduto como o que entregamos na última semana, você valoriza os artistas locais dando vida às pilastras de concreto. Isso é o maior sinônimo de carinho e amor ao nosso povo. Um viaduto que ao mesmo tempo que valoriza a mobilidade, respeita a nossa história e a nossa cultura. Sou servidor público há 36 anos e não é porque sou vice hoje, mas nunca na história de Cuiabá uma gestão valorizou, trabalhou e respeitou tanto pela nossa cultura como a nossa, prefeito, tenha certeza disso. E não é só discurso, é só ver a realizado do Centro Histórico dos últimos cinco anos. E sem dúvidas será cada vez melhor”, pontuou o vice-prefeito José Roberto Stopa.

De acordo com o projeto, o local foi restaurado com objetivo de chegar o mais próximo de sua construção original. A pavimentação da rua foi refeita utilizando os mesmos paralelepípedos de outrora que ainda estão no espaço. A calçada rebaixada, as fachadas das casas restauradas com cores originais e os candeeiros antigos foram substituídos por réplicas com iluminação moderna.

“É com muita emoção que vemos mais uma obra humana da gestão Emanuel Pinheiro. Realmente é uma gestão voltada para a educação, cultura e para as tradições cuiabanas. Quero parabenizar o prefeito e toda sua equipe por essa entrega. Ex-deputado, atual prefeito e futuro alguma coisa, quero dizer que amanhã estarei exigindo do senador Jayme Campos uma emenda para continuar o trabalho da recuperação do Centro Histórico de Cuiabá e quero pleitear um espaço para uma biblioteca da Fundação Júlio Campos. São pequenas coisas que marcam a história de uma administração e realmente a recuperação do Beco do Candeeiro é um velho sonho de muita gente e hoje você entrega. Parabéns e que façamos um bom uso desse local entregue ao nosso povo”, comentou o ex-governador, Júlio Campos.

Na ocasião também foi apresentado o projeto de uma Base Integrada do Centro Histórico. A ideia é executar ações para garantir a proteção do patrimônio histórico na região e também oferecer serviços de saúde e acolhimento à população em situação de rua. O projeto é executado em parceria com a Secretaria de Ordem Pública, Secretaria de Saúde, Secretaria de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico, Secretaria de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência, Secretaria de Mobilidade Urbana e também terá o apoio da Polícia Militar.

“Mais do que resgatar e restaurar os patrimônios físicos do Centro Histórico, é preciso recuperar o capital humano, acolher a população do local e inseri-la no contexto da cidade para que seja parte do todo e não segregada. É com esse objetivo que surge a Base Integrada do Centro Histórico, para levar saúde, atendimento psicológico, acolhimento e segurança para todos e para que todos se sintam parte desse resgate cultural que a gestão Emanuel Pinheiro está promovendo. Uma gestão humanizada para todos, principalmente para os que mais precisam, essa é a determinação do prefeito que seguimos e que vamos continuar na Secretaria de Cultura, esporte e Lazer, com o apoio das demais Pastas”, disse o secretário-adjunto de Cultura, Esporte e Lazer, Justino Astrevo.

No Beco do Candeeiro também vai funcionar uma das lojas da Associação Homens e Mulheres de Fibras, formada por cerca de 300 artesãos da capital. O espaço foi concedido pela Prefeitura de Cuiabá para comercialização de peças artesanais em tecido, jornal, vidro e madeira, com temáticas que permeiam a cuiabania e cultura mato-grossense. Todo o dinheiro da venda fica para os artesãos, que arcam apenas com os custos de manutenção do local, sem cobrança de aluguel.

Participaram da cerimônia de entrega do Beco do Candeeiro o secretário de Ordem Pública, Leovaldo Sales e seu secretário-adjunto de Ordem Pública, Coronel Metelo, a secretária de Educação, Edilene Machado, o secretário de Governo, Luis Claudio de Castro Sodré, o secretário da Limpurb, Vanderlúcio Rodrigues e os vereadores Mario Nadaf, Eduardo Magalhães, Rodrigo Arruda e Sá, o presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, Juca do Guaraná. (Com Prefeitura de Cuiabá)

Veja as fotos:

 

Digiqole ad

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *