Deputado pede reajuste ao Governo nos valores de impostos de MT

 Deputado pede reajuste ao Governo nos valores de impostos de MT

(Foto: reprodução)

Em ofício encaminhado ao Governo do Estado, nesta sexta-feira (8), o deputado estadual Silvio Fávero (PSL) cobra, em regime de urgência, a alteração do indexador da Unidade Padrão Fiscal de Mato Grosso (UPF/MT), que trata da base de cálculo para as cobranças de impostos estaduais, uma vez que somente no último ano esse valor teve um reajuste de 24%.

O valor da UPF é utilizado como base de cálculo, para atualização monetária dos débitos fiscais, inclusive dos inscritos em dívida ativa, de forma que tem grande influência na vida diária do contribuinte mato-grossense, afetando sobremaneira o setor industrial, agrícola e demais setores importantes da sociedade.

Em sua argumentação, o deputado faz um retrospecto dos valores cobrados em anos anteriores, contestando a necessidade de um reajuste tão pesado neste novo ano que se inicia, considerando ainda as dificuldades econômicas enfrentadas pelos diversos segmentos sociais em 2020.

Atualmente, o valor da UPF é calculado em função da variação do poder aquisitivo da moeda nacional, com base no Índice Geral de Preços, conceito Disponibilidade Interna (IGP-DI) da Fundação Getúlio Vargas, ou por outro índice de preços de caráter nacional que o substitua.

De acordo com os dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas, nesta sexta-feira (08), o Índice Geral de Preços, conceito Disponibilidade Interna – IGP-DI acumulou a maior
alta desde 2002 (18 anos).

“Isso interfere diretamente no valor da UPFMT, tornando o valor descomedido, e desproporcional para a população do nosso Estado, principalmente em tempos economicamente tão difíceis”, argumentou o parlamentar em ofícios direcionado ao governador Mauro Mendes e ao secretário de Estado de Fazenda, Rogério Galo.

A correção monetária da UPF/MT, conforme Portaria no 239/2020 da SEFAZ, fixou o valor de R$ 181,98 (cento e oitenta e um reais e noventa oito centavos) a partir de janeiro de 2021, gerando descontentamento de diversas classes produtivas que também já manifestaram contrários ao reajuste.

Ainda no ofício, Silvio Fávero argumenta que esse aumento já está inflacionando todas as obrigações indexadas por este padrão com impactos diretos na vida do contribuinte. Por fim, Silvio reivindica a alteração do indexador da UPF/MT, de IGP-DI para o Índice de Preços para o Consumidor Amplo (IPCA), bem como a sensata revogação da Portaria no 239/2020- SEFAZ, até que seja providenciada a alteração solicitada.

Digiqole ad

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *