Projeto de Lei permite habilitar HMC para tratamento transexualizador

 Projeto de Lei permite habilitar HMC para tratamento transexualizador

(Foto: reprodução)

O vereador Sargento Vidal (Pros) apresentou durante a sessão ordinária dessa terça-feira (29.06), o Projeto de Lei que permite habilitar o Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) junto ao Ministério da Saúde como ambulatório e hospital para tratamento no processo transexualizador para pessoas trans e travestis.
Vidal destacou que, de acordo com a Constituição Federal no artigo 5°, todos são iguais perante a lei e, diante disso, apresenta esse projeto visando trazer uma melhor qualidade de vida para as pessoas trans. “Hoje venho com essa gravata para homenagear os LGBTQIA+ que ontem, teve o seu dia nacional. Como ontem não teve sessão, hoje vim apresentar nesta Casa o projeto transexualizador que é nada mais que habilitar o HMC para atendimento a todos desse grupo”, frisou o vereador.
É importante ressaltar que esse projeto já existe em quatro capitais do Brasil: São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Goiânia. O parlamentar pontuou que Cuiabá tem tudo o que precisa para ser a quinta capital com esse tipo de atendimento.
“A dificuldade de acessar os serviços da saúde leva a automedicação, muitas vezes com hormônios de tipo e doses, entre outras situações que podem trazer gravíssimos problemas de saúde. Sem contar que esse é o país que mais mata pessoas trans no mundo, sendo que só em 2020, houve 175 homicídios e a cada 2 dias, morre uma pessoa trans, sem contar na questão de suicídios que é muito grande”, analisou ele.
Reforçando a necessidade deste atendimento, o diretor do Grupo Livre-mente: Conscientização e Direitos Humanos LGBTQIA+, Clóvis Arantes, destacou que o projeto é fundamental para a vida das pessoas que necessitam de acompanhamento.
“Um espaço especializado para atender a população na questão da saúde, principalmente, homens e mulheres trans, que dependem de tratamentos de hormonoterapia, fono e outras especialidades, é fantástico e já era esperado a muito tempo”, avaliou.
Validando a importância do projeto, Hadassah Luz disse que pela falta de atendimento na questão da saúde e considerando a disforia de gênero, acabou optando pela automedicação com hormônios, mas agora tem a esperança de que o projeto seja implementado e passe a receber o tratamento adequado e de forma segura.

“É muito importante quando se tem um vereador comprometido com a gente. Alguém que vê a nossa luta, que enxerga do lado de dentro, porque é fácil ver do lado de fora, mas não enxergam o conteúdo. Então é muito importante ter alguém que leve e externe o nosso sentimento. E ainda mais importante esse ambulatório trans que irá salvar muitas vidas e irá dar mais dignidade a muitas pessoas”, finalizou ela. (Com Assessoria)

Vereador Sargento Vidal (Pros)
Digiqole ad

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *